A velha Diana com um “plus a mais”

Diana+

De volta do passado

É a Rainha das Toycameras. É idolatrada por muitos, chegou a custar mais de 100 euros em leilões no ebay. Mas não passa de um pedaço de plástico. E como nós gostamos de plástico!

Reza a lenda que nos anos sessenta uma fabriqueta na China colocou no mercado uma pequena câmera toda de plástico pra usar filme 120. Com um custo baixo de produção e controle de qualidade duvidoso, a câmera aparentemente não foi um grande sucesso de vendas, pois deixou de ser fabricada pouco mais de uma década depois e alguns anos mais tarde foi “substituída” pela nossa querida holga.

A Diana+ tem aquela mesma atmosfera onírica da sua prima mais nova, bem provavelmente por culpa de ambas terem lentes de plástico com suas peculiares distorções cromáticas, que os engenheiros óticos tanto tentam eliminar nas câmeras modernas (Só acho que a holga vinheta mais). As diferenças não param por ai, enquanto a lente da holga é 60mm (talvez, nunca comprovamos) a Diana+ tem lente 75mm, somado ao fato de sua máscara interna ser menor (4,5 cm em média), essa lente causa menos vinheta que a holga sem máscara nenhuma (q dá quase 6x6cm). De resto, é igual, só um pouco menor e com aparência mais tosca (olha, ser mais tosca que a holga é algo pra se admirar).
Suas melhores horas são com sol a pino, com filme PB ou um chromo vencido. Se quiser flash, tem a versão F, que vem com um adaptador para Flash além de uma unidade de flash com carinha de vintage.

“Plus” a mais

A versão recauchutada da LSI tem alguns “plus a mais” (desculpem o trocadalho) em relação a original, apresentando modo B pra longas exposições, controle de abertura com uma opção para pinhole (basta remover a lente que está pronta) e rosca para tripé.

A nova Diana tem uma coisa que outras da mesma categoria não tem: kits de lentes intercambiáveis. Sim, como nas SLR você pode escolher outras lentes desde grande angulares até teles, passando por adaptadores pinhole e outras maluquices. É um sistema completo de tranqueiras para diversão analógica lo-fi.

Com duas máscaras, você pode escolher entre 3 tamanhos, 4,2×4,2cm, 4,6×4,6cm e 5,2×5,2xm.

Pacote

desempacotando a diana+

A LSI gasta mais com a embalagem e acessórios que vem com a câmera do que com a câmera propriamente dita. Bela caixa com vários níveis, tampa transparente pra ver o produto, livros com alto nível de qualidade de impressão, enfim, é um belo pacote, vale totalmente o preço, que é a partir de R$ 140,00 no site brasileiro. Se quiser, tem também no ebay (na gringa ela sai por mais ou menos US$50).

Conclusão

diana+

Uma bela reedição de uma câmera que fez história, quase o símbolo da toycamera. Se você tiver uma holga, desencana, mas se não, corre atrás, compre um filme PB vencido e faça arte! Mas principalmente, divirta-se.

Dê uma fuçada no flickr para ver resultados com ela.

Tags: , , , , , , ,

1 comment

  1. Gabriela Pires

    A Holga é muito querida…mas a Diana é minha preferida!
    Recentemente comprei uma Diana Qing Hua…q coisa linda…
    deu até vontade de chorar antes msm de abrir a caixa…
    Nunca peguei na mão a Diana mais clássica…mas me pareceu q essa versão tem um acabamento mais bacana…tem até um “courinho” branco q faz toda diferença…

    Ando só acompanhando o surgimento do blog pelos emails do grupo porq ultimamente ando na correria e não podendo participar muito…
    Mas parabéns pelo andamento de td aqui…ta td evoluindo rápido q é uma blz…=)

    Inté!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *