Nem toda Lomo é da Lomography

Alguns já devem conhecer a história das câmeras Lomo, mas podemos dar uma passada rápida por cima dos fatos pra situar melhor quem pegou o bonde andando.

Cosina CX-2
Cosina CX-2 – Foto: Alexandre Ferreira

O termo LOMO é uma sigla de Leningrad Optical Mechanical Union. Esta era uma fábrica de câmeras e lentes que produzia para o mercado soviético e que muitas vezes copiava, ou se inspirava nas melhores câmeras do mundo.

Tempos vão, tempos vem e, em 1991, muitos anos depois da LOMO original já ter mudado de nome reestruturando seus produtos e seguido a vida, uns austríacos malucões descobrem a LC-A (Lomo Compact Automat). Essa câmera era uma cópia da japonesa Cosina CX1 e tinha um bocado de defeitos que, aos olhos austríacos, foram vistos como efeitos maravilhosos. Cores exageradas, manchas, vinhetas na imagem, tudo isso foi visto de uma nova maneira e tratado do jeito certo pra ser vendido como diferencial (e é bonito mesmo vai).

Assim foi fundada a Sociedade Lomográfica Internacional. Além da retomada das câmeras russas os caras criaram novas câmeras, inventaram todo um universo de liberdade fotográfica (ao que deram o nome lomografia), montaram redes sociais que já funcionavam pra valer muitos anos atrás, tudo com design legal e apelo para uma propaganda boca-a-boca que provou-se muito eficiente.

Esse foi o resumão da história. Mas e aí, pra que esse papo todo?

Basicamente pra todo mundo perceber algo muito simples: esses caras encontraram uma câmera e a usaram pra uma finalidade diferente da original. Eles não inventaram a LC-A, ela já estava lá, só foi descoberta e aplicada. É tipo o Pedro Álvares topar com o Brasil e dizer: “Descobri! É meu!”.

Assim como o pessoal da Lomography, tem muita gente “descobrindo” velhas câmeras que produzem resultados lindos, por conta de defeitos ou detalhes duvidosos na sua fabricação. E o melhor, por essas câmeras não terem o investimento de marca nem o hype das lomos, elas podem ser encontradas baratinhas nos mercados de pulga que te cercam.

Olympus Trip 35
Olympus Trip 35 – Foto: Nicoli Barea

De exemplos temos um bocado: Olympus XA2, Olympus Trip, Yashica T4, Cosina CX2 (a própria!), Yashica Electro 35, Vivitar Ultra Wide & Slim… Além das câmeras pós-lomography, que acabaram copiando quem copiava tipo a Pop Art ou a ActionSampler Robot. Se você já teve nas mãos uma câmera de plástico da lomography, sabe muito bem que pra sair uma cópia dela com um silk diferente da fábrica chinesa é ‘dois palito’… fácil, fácil.

Resumindo, na sua próxima viagem pra Croácia ou pra Pindamonhangaba, não deixe de dar aquela olhada nos sebos e na casa do seu tio-avô. Pode ser que haja uma câmera lomo (ou uma Leica) largada num canto pedindo pra ser levada.

Num próximo post vou subir fotos de algumas câmeras que podem ser muito legais com as especificações de cada uma. Só não dá pra sugerir um bom preço de compra porque isso depende do tanto de poeira que você vai ter que tirar de cima dela pra começar a fotografar. 😉

Tags: , ,

7 comments

  1. Muito bom e elucidativo o post Habacuque. =]

  2. Simples e direto. Gostei mto!
    É sempre bom conhecer as origens. ;-]

  3. Um amigo acho na casa de um colega dele uma Leica M3 na caixa de ferramentas do pai do cara…

    e ganhou do cara de presente… será que o cara sabia quanto a parada custa??? acho que não viu…

    sempre bom fuçar na casa de amigos e parentes… pode ter coisa boa escondida por lá…rs…

  4. […] é pra quem leu o post “Nem toda Lomo é da Lomography” e ficou com um pé atrás, meio que duvidando que uma outra câmera pudesse produzir um […]

  5. […] E pra mostrar que nem toda lomo é da Lomography, tem um post muito bom no blog da […]

  6. Quando lembro que QUASE comprei essa CX-2 no lugar de AMF, me bate um arrependimento…

    Câmera linda!

  7. Muito bom o seu blogue, eu sei que vc deve ter seus afazeres, mas não deixa essa idéia morrer, pois o seu conhecimento é muito importante para divulgar a fotografia analógica ou Lomografia. Eu estou ficando fascinado pelo assunto, entretanto no momento estou sem muita grana para investir muito pesado numa Lomo ou equivalente. Gostaria que vc comentasse sobre a Yashica Mf 3 super, pois foi a câmera que encontrei com bom custo /benefício /integridade. Vou começar com ela nesse incrível mundo das fotografias analógicas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *