Olympus Trip 35

Uma das câmeras mais fáceis de se encontrar em sebos e feirinhas de rua é a Olympus Trip 35.
Essa câmera foi fabricada entre 1967 e 1984, e foram vendidas mais de 10 milhões de unidades, ou seja, ainda dá tempo de encontrar a sua!
Ela tem o funcionamento super simples. Em volta da lente há uma célula de fotometria de selênio, que ajusta automaticamente a abertura da lente, de acordo com a quantidade de luz no local. Se a luz não for adequada para uma foto, a câmera não dispara e sobe uma bandeira vermelha dentro do visor.

foto: Julio França

No anel central em torno da lente você pode controlar a distância para o foco, com ícones que representam os valores de 1 metro, 1.5 metros, 3 metros e infinito.

No anel mais externo da lente você pode controlar a ASA do filme, de 25 a 400.

No anel mais próximo do corpo da câmera existe um controle de abertura manual. Esse controle é usado quando você quer definir com qual abertura a câmera vai trabalhar e é mais indicado de ser usado com flash, já que nesse modo a bandeira de aviso de pouca luz fica desabilitada.

Como já deu pra perceber a Olympus Trip 35 tem uma sapata de Flash, na qual dá pra colocar o Colorsplash Flash da LSI ou qualquer outro flash com Hot Shoe.

Especificações técnicas:
País de fabricação: Japão
Lentes: D.Zuiko F2.8, f=40mm (4 elementos em 3 grupos)
Distância focal: 40mm
Velocidade do obturador
• no modo automático: 1/40 seg. ou 1/200 seg.
• no modo manual: 1/40 seg.
Foco: 1 metro, 1.5 metro, 3 metros e infinito
ASA: 25 – 400
Tamanho: 116mm larg. x 70mm alt. x 57mm prof.
Peso: 410 gramas

foto: Carolina Mendonça

A Olympus Trip 35 é uma câmera compacta, com lentes ótimas e um preço bacana (dá pra encontrar entre R$ 50 e R$ 150, dependendo do estado).
Nunca dá pra saber direito se uma câmera usada vai funcionar de primeira ou se precisa de uma revisão. A parte boa da Trip é que ela não usa baterias, então não há o problema de ter vazado algum químico dentro dela que a torne imprestável.

O teste que dá pra fazer antes de comprar uma é abrir o fundo da câmera (ali onde o filme é colocado), ajustar o anel de abertura pra A (automático), girar o botão de avanço do filme e disparar. Tente primeiro mirar pra algum lugar com muita luz. Se disparar normalmente, aponte pra outro lugar iluminado e veja se continua funcionando. Por fim, coloque a mão em cima da lente (tapando o medidor de selênio) e tente cllicar. Nesse momento deve subir a bandeira vermelha dentro do visor.

Depois, repita a operação com a abertura 2.8, 5.6, etc e veja se consegue enxergar a lente se abrindo em dimensões diferentes.

foto: Habacuque Lima

Mesmo com tudo isso funcionando, o fotômetro dela pode estar desregulado (porque é velho mesmo e se desgasta) e ela pode ter algum outro tipo de defeito menos perceptível. Daí tudo depende de sorte. Mas ainda sem funcionar a câmera é bonita e serve para outros fins, como dá pra perceber nesse manequim em uma vitrine de loja de roupas.

Boa sorte com a sua Trip!

Quer mais informações sobre a Olympus Trip? Dá uma olhada nesse site: http://olympus-trip.blogspot.com/

E no Flickr você encontra milhares de fotos feitas com essa maravilha de câmera: Olympus Trip @ Flickr

Tags: , ,

2 comments

  1. Muito bom o texto Haba, to com uma trip travada de enfeite lá na estante por falta dessas informações de testes e tal antes de comprar… =-(

    uma tristeza só…

    abrax

  2. Muito bom o post.
    Tô com duas dessas máquinas, que eram do meu pai. Agora tô tentando trazê-las de volta à ativa, e suas dicas me ajudaram bastante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *